Buscar
  • Nadiane Nardi

Quais serão os melhores caminhos perante a crise mundial econômica?

Atualizado: Mai 19


Perante a crise mundial e o necessário resguardo das pessoas, um artigo da consultoria Mackenzie, intitulado: “Como reconstruir e remanejar empregos em meio à crise do coronavírus”, traz estatísticas de alguns países e algumas ideias do que pode ser feito.

Líderes dos setores público, privado e social já estão tomando medidas urgentes para gerenciar a crise em rápida evolução, mas a Mackenzie acredita que há espaço - e necessidade - para maior foco, velocidade, ousadia e inovação nesse esforço.

Dois quesitos que sugere ser essencial observar são:


  1. Criar uma visão sistêmica de quem precisa de ajuda para manter seu emprego ou encontrar um novo trabalho. Isto é, reconhecer onde os empregos estão em risco e onde há demanda adicional por mão de obra - por setor, ocupação, demografia e geografia. Essa visão precisa colocar um foco especial nas pequenas empresas e nos trabalhadores mais vulneráveis, incluindo aqueles do setor informal.

  2. Criar soluções inteligentes e intersetoriais para obter essa ajuda rapidamente. Isto é, encontrar maneiras inteligentes de maximizar o emprego e se proteger contra novas infecções, seguindo as diretrizes globais e as de suas agências locais de saúde pública. Será necessário um foco especial no reinício e no apoio a pequenas empresas, responsáveis ​​pela maioria dos empregos na maioria dos países. Ao mesmo tempo, governos e empresas precisarão criar novos mecanismos para ajudar as pessoas cujos empregos estão em risco a redistribuir para ocupações nas quais a demanda de trabalho ainda ultrapassa a oferta - e desenvolver rapidamente as habilidades necessárias para suas novas funções.


Sugere que, governos e setor privado, para construir soluções inteligentes, para ajudar as pessoas a voltar ao trabalho, e estimular a demanda do consumidor e recuperar a confiança, tenham como exemplo o que vários países fizeram ao sofrerem quedas acentuadas no turismo após ataques terroristas. Se concentraram, primeiramente, em recuperar a confiança e a demanda locais antes de abordar os mercados globais. Uma ferramenta crucial era oferecer vouchers ou descontos para grupos de clientes-alvo.


Essas iniciativas exigirão velocidade e agilidade sem precedentes - e graus extraordinários de colaboração.


E para tornar isso possível, os governos podem precisar capacitar as empresas a cooperar para manter as pessoas empregadas, participar de programas conjuntos de treinamento e trabalhar em conjunto para apoiar as pequenas empresas em suas cadeias de suprimentos.


Mesmo antes da crise do COVID-19, mudanças estruturais - como a adoção da automação e a mudança para a energia limpa - estavam remodelando o mercado de trabalho e aumentando a demanda por habilidades específicas.


A crise só veio acelerar várias mudanças que estavam acontecendo gradualmente, reinaugurando um novo paradigma para o re-treinamento em três dimensões:


  1. O distanciamento físico faz com que os formatos tradicionais sejam substituídos on-line, exigindo criatividade no fornecimento de treinamento eficaz (especificamente para habilidades pessoais, como trabalho em equipe).

  2. O novo treinamento rápido requer intervenções muito mais curtas e um sistema diferente para reconhecer essas habilidades. Os microcréditos substituirão os graus tradicionais em muitos casos.

  3. Uma crise desse grau exige uma mudança de mentalidade em direção ao bem maior da sociedade, em vez de focar na vantagem competitiva de uma empresa específica. As empresas que, de outra forma, seriam concorrentes nos negócios, precisarão colaborar e oferecer oportunidades de novas habilidades no nível do setor.

E propõe três idéias principais para as novas dimensões acima:


  1. Criar rapidamente “trocas de talentos” on-line para criar transparência nas vagas de emprego e facilitar a redistribuição. Há uma necessidade urgente de transparência na mudança de demanda, aumento de oportunidades de emprego e informações sobre as habilidades existentes que podem ser subutilizadas e para uma correspondência melhor e mais rápida entre candidatos a emprego e empregadores. Associações industriais, agências de trabalho e grupos de grandes empresas podem criar rapidamente trocas ou portais nos quais os empregadores podem postar novas vagas e trabalhadores deslocados, apoiados pelas empresas existentes, podem encontrar oportunidades de realocação e destacamento. Por exemplo, um grupo de empresas do setor de alimentos dos EUA criou uma troca em apenas seis dias, iniciando-a no início de abril de 2020. Governos e organizações sem fins lucrativos podem complementar as trocas on-line com serviços de apoio a trabalhadores deslocados, como treinamento, aconselhamento e ajuda aos currículos. A crise do COVID-19 cria uma urgência sem precedentes para os setores público e privado intensificarem seus esforços nessa arena.

  2. Desenvolver novas habilidades em velocidade e escala. Governos, associações empresariais e instituições de ensino devem estar se perguntando: "Como usamos a desaceleração para treinar e preparar o futuro da nossa força de trabalho?" São necessárias duas intervenções discretas a esse respeito: aumento rápido de qualificação para aumentos de demanda de curto prazo, como no varejo de supermercado, e aumento de qualificação ou requalificação a longo prazo, que permite que indivíduos se mudem para carreiras alinhadas às tendências de habilidades futuras. Intervenções de longo prazo também podem se concentrar na alfabetização digital e nas habilidades sociais e emocionais - os alicerces que os trabalhadores precisam para permanecer relevantes em um mercado de trabalho mais dinâmico e digitalizado.

  3. Projetar incentivos eficazes, apoiados pelo governo, para reimplementação e nova qualificação. À medida que os governos fornecem apoio à crise para empresas e trabalhadores individuais, eles podem incentivar várias mudanças importantes que ajudarão a remodelar as economias a serem mais produtivas e equitativas quando se recuperarem da crise. Em troca do apoio financeiro - como subsídios e descontos de impostos - durante a crise, os governos podem exigir que as empresas invistam em treinamento e aprimoramento de mão de obra. Na Alemanha, por exemplo, a recente Lei de Oportunidades de Qualificação prevê subsídios governamentais aos programas de treinamento de funcionários das empresas - com empresas menores recebendo subsídios proporcionalmente maiores. Até 100% dos custos de treinamento para microempresas e até 50% para PMEs são cobertos por subsídios. Os governos também podem alcançar outros objetivos, como aumentar o registro de empresas informais e melhorar a participação feminina na economia, em troca de apoio financeiro.


A Mackenzie conclui sugerindo que a rapidez (velocidade para identificar e implantar novos modelos) é o que vai fazer a diferença na superação da crise.

Artigo original: https://www.mckinsey.com/industries/public-sector/our-insights/how-to-rebuild-and-reimagine-jobs-amid-the-coronavirus-crisis

Nadiane Nardi

Proprietária da NN Coaching & Consultoria

Gestão de Pessoas, Liderança e Coaching



0 visualização

Redes Sociais:

  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Preto Ícone Google+
  • Preto Ícone Twitter

Ed. Leonardo da Vinci

Rua Borges de Medeiros, 274, sl 902

Santa Cruz do Sul, RS

www.nncoaching.com.br

E-mail: nnconsultoriaestrategica@gmail.com

Contato:

(51) 3121 1131

Whats:

(51) 99995 0035

© 2016. Criado orgulhosamente com Wix.com